Criatura (Blogueira)

Alô você!

Agora que já clicou aqui, espero que leia até o final. Se você chegou nessa página é porque a minha descrição do perfil não foi suficiente, não é mesmo? Então... Vou tentar me apresentar um pouco mais e sanar a sua curiosidade.

Em casa nunca faltou incentivo para a leitura, mas lembro que foi por causa de um daqueles livros gigantes de contos de fadas que me despertou realmente o interesse. Essa relíquia foi presente da minha avó materna para todas as netas e então para não dar brigas ficava na casa dela.

Eu sou dois anos mais nova que as minhas primas mais velhas, então quando entraram no primeiro ano eu queria ir junto. Sempre fui muito curiosa e queria saber o que era aquele monte de rabisco engraçado que eu via no caderno delas. Eu era proibida de tocar nas coisas delas – coisas de irmãs/primas mais velhas – e isso me deixava ainda mais curiosa para saber o que era aquilo.

Certo dia pedi que minha mãe me contasse uma história daquele livro. Já que estava impedida de tentar mexer nos lápis de cor e cadernos. Ela escolheu “A Menina e os Fósforos” para ler e pela primeira vez na vida chorei por causa de uma história. A partir daquele dia todas as vezes em que ia lá eu pedia que minha mãe contasse aquela história até que um dia ela pediu que eu contasse a história para ela.

E foi assim aprendi a ler e desde então não parei mais. Agora sou eu quem ensino a ler e a escrever. Sou cultivadora de sonhos e incentivadora de ideias. Virei uma professora parecida com a criada por Ziraldo. Sou a boneca Emília com sua torneirinha de asneira e a pílula que a fez tagarelar até os dias de hoje. E claro, sou Pollyanna também com seu Jogo do Contente.
Sou um pouco de todas as histórias que já li.

Criação (Blog)

Criado originalmente em 2012 – último ano da faculdade de Pedagogia – pensei no que fazer com todo aquele tempo livre que iria ter a partir daquele momento. Deixaria o estágio do período da manhã e teria o período da noite livre, porque não teria mais aulas. Trabalharia apenas no período da tarde. Olhei minha caixa de livros e pensei que poderia começar as leituras atrasadas. Naquela época eu não pensava em um dia poder ter uma estante. Eu pegava livros das bibliotecas de Campinas/SP porque o apartamento era pequeno demais para poder guarda-los.

Foi nas férias daquele ano em que li “Eu sou o Número Quatro” e precisava contar sobre essa história para alguém. Ninguém se interessava pela história que eu queria contar, só perguntavam do gênero e do autor. Foi então que conversando com a Mari Perazio (do atual canal Mariana Reads e antigo Corujinha Leitora) que me incentivou a criar um blog. Pensar em um nome foi a parte mais complicada, porque eu não tinha uma estante de fato, mas um dia desejava muito ter. Por causa desse sonho, acabei criando o “Estante da Rob”.

E então dia 17/12/2012 nascia oficialmente o blog e todas as suas redes sociais. Ele começou exclusivamente literário, mas com o passar do tempo percebi que não eram apenas os livros que me moviam. Então acabei acrescentando outros assuntos que me fazem ser quem eu sou.
Divido as minhas impressões literárias, musicais, cinéfilas e televisivas. Mantido pelo Blogger desde sua criação e desde 2015 com hospedagem. Aqui você encontrará de tudo um pouco e um pouco de tudo também. Estou sempre insatisfeita com alguma coisa nele e sempre buscando melhorar não apenas sua aparência, mas seu conteúdo também.


Espero que vocês aproveitem o meu cantinho feito com toda a dedicação que meu tempo livre permite atualmente. Fiquem a vontade para entrar comigo pelas redes sociais – você encontra todas elas logo abaixo da minha foto no canto direito da tela – ou pelo e-mail estantedarob@gmail.com

Um Comentário

Deixe um comentário

• Bem vindos!
• Antes de comentar, leia a postagem.
• Estou aberta a críticas, elogios e sugestões. Porém, use o bom senso.
• Não se esqueça de deixar o link do seu blog para que eu retribua a visita.
• Volte sempre!