Sinopse: Para uma adolescente, trocar de cidade pode ser um trauma. Para Suzannah, a mudança de Nova York para Califórnia está sendo ótima: novos amigos, muitas festas e dois caras bonitões e muito interessantes. Só que um deles é um fantasma. E o outro pode matá-la. Suzannah é uma mediadora, uma pessoa capaz de se comunicar com os mortos e resolver as pendências deles na Terra. A velha casa para onde se mudou com a mãe e o padrasto é assombrada por Jesse, um fantasma jovem e gentil. Como Jesse não liga muito para ela (e, além do mais, está morto), Suzannah se entusiasma com o interesse de Tad Beaumont, o garoto mais cobiçado da cidade. Mas o fantasma de uma mulher, cujo assassinato pode ter relação com um mistério no passado de Tad, a atormenta. E a vida de Suzannah pode estar ameaçada. Ser adolescente é complicado. O que dizer de uma garota que precisa dividir sua atenção entre a própria vida e a morte dos outros? 
Livro: O Arcano Nove
Série: A Mediadora
Volume: #2
Autor: Meg Cabot
Gênero: Fantasia; Sobrenatural
Páginas: 272
Editora: Galera Record
Ano de Publicação: 2005
Nota: 

O Arcano Nove” é o segundo livro da série “A Mediadora” da autora Meg Cabot. Essa resenha é totalmente livre de spoilers.
Já falei que essa é a minha série favorita da Meg? Porque é. Suzannah é a melhor personagem adolescente escrita por ela, por motivos de não tem dramas desnecessários. Os livros da Meg me cansam, por sempre ter cenas dramáticas demais, exageradas demais. Mas Suzannah consegue ser o oposto, acho que é por isso que gosto tanto dela. Claro que há coisas como o primeiro beijo sendo descritos ali, mas me lembro do meu primeiro beijo e foi à coisa mais empolgante que aconteceu comigo aos quatorze anos. Mas a escrita dela é cativante, vale a pena ler essa série porque é a melhor.

Nesse segundo livro Suze está mais popular do que nunca, só que não. Apesar de ter sido escolhida para representante de turma e ter chamado os amigos ditos ‘esquisitos’ para a festa na piscina de Karen, ela continua sendo a mesma. Nessa mesma festa ela acaba conhecendo Tad Beaumont, o popular astro do basquete do outro colégio da cidade que todas querem conhecer e quem sabe beijar. Porém Suze não está dando muita importância, pois não o conhece. O fato de ser mediadora não atrai muitos caras e por isso ela fica um pouco inconformada quanto todas as possíveis tentativas de beijos são frustradas. Jesse, o fantasma vaqueiro em seu quarto é o que o diga. E como ele não está muito interessado nela – e ainda por cima está morto – ela se vê entusiasmada com o fato de Tad querer encontra-la novamente. O que une Suze e Tad novamente é uma fantasma. Seu assassinato pode estar ligado diretamente à família de seu quase primeiro namorado Tad e é nisso que o livro foca. O romance pode vir acontecer, apesar dos interesses serem bem diferentes, mas Suze tem um assassinato para tentar resolver e fantasmas para seguir em frente.


O legal dessa série é que ela tenta ser uma adolescente normal, viver sua vida normal com a nova família, mas o foco continua sendo a mediação entre ela e os fantasmas. A autora não perde o foco em nenhum momento, pois tem sempre um fantasma por perto. Seja Jesse ou outro desconhecido que ela precisa ajudar. As conversas entre ela e Jesse são impagáveis, eles não se entendem pelas diferenças de idade – ele está morto há pelo menos cento e cinquenta anos – então as gírias são estranhas para ele, assim como as palavras em espanhol são para ela – mas os dois são incríveis juntos. Não é a toa que é a minha série favorita.

4 Comentários

  1. Olá. Tenho vontade de ler Meg Cabot. Mas, tenho um certo receio, sabe? rsrs
    abraço!
    http://literariamentefalandoeh.blogspot.com.br/2015/01/chaves-pedinjan-4.html

    ResponderExcluir
  2. Oi Roberta. Não li nenhum livro dessa autora ainda, mas falou em fantasmas e eu já amei! Já vi algumas ilustrações feitas com inspiração na obra e amei. Deve ser bem difícil conversar com alguém que já está morto a mais de cento e cinquenta anos. A fala dele não é muito rebuscada?? Porque deveria ser né. Com todos aqueles vós e os trejeitos. Adorei a resenha. Bjoks da Gica.

    umaleitoraaquariana.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. ROOOOOB ! VOCÊ QUER SER MINHA AMIGA ? Nesse primeiro parágrafo você simplesmente definiu tudo o que eu penso a respeito da série A Mediadora. Suzannah É a melhor personagem da Meg, sem discussões. E as capas ? Pelo amor de Odin, as capas são maravilhosas ! Ainda espero que um dia a série seja adaptada porque essas conversas entre Jesse e Suze PRECISAM ser interpretadas, seja em tela grande ou não. Xx.

    www.apenasumahistoria.com

    ResponderExcluir
  4. Já ouvi falar muito dessa série, parece ser ótima, infelizmente ainda não tive a oportunidade de ler.
    Sua resenha me deixou com aquela vontade de quero mais sabe, principalmente por descobrir que a personagem principal não é dessas dramáticas, eu odeioooo drama hahahahaha
    Já entrou para a minha wishlit (que só cresce...).
    Beijos,

    http://www.thousandlivestolive.com/

    ResponderExcluir

• Bem vindos!
• Antes de comentar, leia a postagem.
• Estou aberta a críticas, elogios e sugestões. Porém, use o bom senso.
• Não se esqueça de deixar o link do seu blog para que eu retribua a visita.
• Volte sempre!