Título: Férias!
Título Original: Rachel’s Holiday
Autor: Marian Keyes
Editora: Bertrand Brasil
Ano: 2009
Páginas: 560
Para saber mais: Skoob

Sinopse: Rachel Walsh tem 27 anos e a grande mágoa de calçar 40. Ela namora Luke Costello, um homem que usa calças de couro justas. E é amiga - pode-se mesmo dizer muy amiga - de drogas. Até que a sua vida vai para o Claustro - a versão irlandesa da Clínica Betty Ford. Ela fica uma fera. Afinal, não é magra o bastante para ser uma toxicômana, certo? Mas, olhando para o lado positivo das coisas, esses centros de reabilitação são cheios de banheiras de hidromassagem, academia e artistas semifissurados (ao menos ela assim ouviu dizer). De mais a mais, bem que já está mesmo na hora de tirar umas feriazinhas. Rachel encontra mais homens de meia-idade usando suéteres marrons e sessões de terapia em grupo do que poderia supor a sua vã filosofia. E o pior é que parecem esperar que ela entre no esquema! Mas quem quer abrir as janelas da alma, quando a vista está longe de ser espetacular? Cheia de dor-de-cotovelo (o nome do cotovelo é Luke), ela busca salvação em Chris, um Homem com um Passado. Um homem que pode dar mais trabalho do que vale... Rachel é levada da dependência química para o terreno desconhecido da maturidade, passando por uma ou duas histórias de amor, neste romance que é, a um tempo, comovente, forte e muito, muito engraçado.


Achei que era uma coisa, foi outra. Esse não foi o meu primeiro contato com a escrita de Marian Keyes e posso assegurar-lhes que existem livros melhores do que esse, sério! O humor está presente na maior parte da história, mas mesmo assim Rachel é uma chata.

Rachel tem 27 anos e é muito amiga das drogas, tanto que depois de um incidente pesado, ela se vê no Claustro – uma clínica de reabilitação – e se imagina indo para um spa todo requintado, cheio de mordomias e tudo o que tem direito. E se bem que ela está precisando mesmo de umas férias!

Para sua grande surpresa e decepção, o Claustro não tem nada de glamoroso, pelo contrário é cheia de sessões de terapias e reuniões em grupo. Tudo o que ela menos esperava encontrar por lá.

Ela é extremamente intragável, mas acostumamos com seu jeito mimado e fora do controle. Ela é imatura e não tem paciência para muitas coisas, chega a ser rude várias vezes ao longo do livro.

O livro conta com  mais de quinhentas páginas, o que acaba nos deixando bem íntimas de Rachel e percebendo mudanças, sutis no começo, mas depois mudanças de amadurecimento.

De todos os livros das irmãs Walsh que li até agora, Rachel é a menos preferida. Ela tem o seu charme, mas entre as outras irmãs, é a mais chata.

A escrita de Marian é excelente e você se envolve tanto com os personagens que não vê as páginas passarem e quando percebe, o livro chegou ao fim. Apesar de focar em uma irmã, as outras fazem algumas participações especiais. E isso torna o livro mais legal ainda.

Deixe um comentário

• Bem vindos!
• Antes de comentar, leia a postagem.
• Estou aberta a críticas, elogios e sugestões. Porém, use o bom senso.
• Não se esqueça de deixar o link do seu blog para que eu retribua a visita.
• Volte sempre!