Olá pessoas, como vocês estão? Hoje bateram os vinte segundos de coragem e aqui estou, me desafiando a ser uma pessoa melhor. A minha vida anda tão ativa que anda difícil conciliar tudo, confesso. E por isso fui procurar sobre o desafio “100 Dias de Produtividade” e me coloquei a meta de voltar com o blog, que é uma coisa que me faz bem, mas que perdi um pouco da vontade de postar por falta de reconhecimento pessoal.

Mas depois de muito tempo ponderando sobre voltar ou não com o blog, pensei no motivo que me fez começar e criar coragem de criar um blog literário: deixar registrado os livros que li durante o ano e a minha opinião sobre eles. Porque escrevendo, fixo muito mais qualquer conteúdo. Pensando no meu bem estar e não em números e visualizações, cá estou eu.

Hoje, dia 20/05/18 começa oficialmente os meus 100 Dias de Produtividade aqui no blog. Cada dia um conteúdo diferente, criado de um jeito que me deixa feliz em seguir em frente e desabafar tudo o que está acontecendo comigo.

O mais legal é que você pode participar junto comigo! Fui ler sobre criações de hábitos antes de iniciar esse desafio e os 21 dias iniciais serão os mais difíceis, porque o nosso cérebro demora esse tempo aproximadamente para se acostumar de fato com alguma coisa. Se você participar comigo, será um motivando o outro todos os dias! Dando forças para não desistirmos. E aí? O que acha? Topa participar desse desafio comigo?



Olá leitores, como vocês estão? Não tem jeito, descobri que se não montar uma T.B.R fixa, não funciono como leitora. Parece difícil de acreditar, mas andei me testando e percebi que meu hábito de leitura está criado e voltando ao normal. E que ao mesmo tempo, não sei tomar decisões simples como “qual o próximo livro para ler?”

Posso culpar o meu signo pela indecisão, mas faz parte de quem eu sou, paciência né meus anjos? Pois então, como descobri esse fato literário sobre mim? Tentativa e erro, claro. Em janeiro montei uma lista dos livros que pretendia ler e apesar de ter trocado alguns no meio do caminho, ter essa lista me ajudou muito a focar nas leituras que eu realmente queria e adivinha? Li até mais do que tinha planejado, o que foi uma vitória, vindo de quem estava lendo vários nadas.

Fevereiro também foi um mês bom, apesar de ser curto e por esse motivo eu não ter escolhido e calculado muito bem as leituras. Já março onde não fiz lista nenhuma, li pouquíssimo! Quase chorei, confesso. Abril coloquei só a quantidade de livros que queria ler, mas também acabou se tornando um fiasco. Pois agora em maio pretendo sim voltar com as listas e volto no final do mês para contar como fui.

Não deixe de acompanhar a nova coluna “Leitura Todo Dia” que sai aos domingos por aqui! Aqui conto quantas páginas consegui ler durante a semana. É isso, continue comigo para conhecer a minha lista e não esqueça de conversar comigo pelos comentários do blog ou nas outras redes sociais, irei adorar!



Olá leitores, como vocês estão? Aproveitaram o feriado para colocar as leituras em dia? Confesso que a minha ideia era essa, mas então percebi que procrastinei a semana toda e que deixei várias coisas acumuladas para essa terça-feira.

Mas aconteceu uma coisa engraçada e frustrante nesse final de semana prolongado e me lembrei que a postagem com mais visualizações do blog era com esse tema, mas lá no ano de 2013. Relendo a postagem, descobri que a minha opinião não está tão diferente de quase cinco anos atrás (quase, porque a postagem foi de julho/2013).

Bom, primeiro quero deixar bem claro que eu amo comprar livros nos sebos e sou compradora assídua desses lugares, porque sempre encontro livros inesperados por lá e volto toda feliz e radiante. Porém, isso acontece quando eu compro, que é bem diferente de trocar.

Tudo bem, depois de todos esses anos tomei coragem e perguntei o que eles levavam em consideração na hora de selecionar os livros para troca. Na minha cabeça de leitora e não empresária, eu queria trocar livro por livro. Eu dou um livro e recebo outro no lugar, como acontece no Skoob, por exemplo. Mas infelizmente, não é assim que acontece.

Primeiro que como o interesse dos sebos é vender os livros que estão lá, isso dá uma desvalorizada na nossa busca por trocas. Afinal, eles precisam pagar suas contas e funcionários, né meus anjos. O caso é que eles olham sim a qualidade e o estado em que seu livro se encontra, assim como ele leva em consideração também livros que têm mais saída. O que é isso? Aqueles livros que todos iriam procurar por um preço mais barato que um livro novo.

O que acontece é que eles precisam ver como está o estoque dele para aquele gênero, autor, etc. Se for um livro que sai fácil, ou seja, livros que todos querem ler, isso dá uma valorizada sim ao seu livro. Mas se for um livro que vai ficar lá por um tempo indeterminado, isso desvaloriza. Com essa última troca aprendi que se não tem intenção de reler, não deixe o livro parado na estante. Corre para trocar ou vender, porque se passar muito tempo, ele desvaloriza.

Infelizmente é isso o que acontece. Os sebos pagam no máximo R$10 pelo seu livro, isso se eles tiverem muito interesse no seu exemplar, caso contrário, não passam de R$5. Eu tirei, mais ou menos 52 livros e ela ficou com uns 20 da minha pilha. Todos esses livros ficaram para troca com um valor de R$50,00. Mas se formos ver em questão de quantidade, troquei 20 livros por 3. E aí que a troca parece injusta.

Claro que cinco anos depois, apesar de ainda sair frustrada porque queria levar a pilha toda de selecionados, estou mais conformada. O meu coração de leitor ainda sangra, confesso, mas o meu coração de empreendedora, sabe que era pegar ou lagar e claro que eu não ia perder a chance de sair de lá com livros que eu queria muito ler.

Sim anjos, eu sou uma pessoa que não tem muita paciência para essas pequenas “injustiças” que acontecem e pela segunda vez, venho trazer esse assunto um tanto polêmico para o blog. Mas me falem se isso só acontece comigo, será que essa frustração como leitora, deixo frisado novamente, só acontece comigo? Impossível! Não sou tão diferentona assim, rs.

Apesar de perder um pouco o interesse em trocar livros nos sebos, não deixarei de comprar livros por lá, afinal como disse, uma vez por mês, meu dinheiro fica por lá, rs. Porque não tenho controle mesmo e saio comprando tudo o que vejo pela frente. Acontece! Preciso de uma rehab literária novamente!

Mas me diga, o que vocês acham sobre esse assunto? Concordam comigo? Discordam? Escreva aqui nos comentários, ou em outra rede social, rs.

Beijos, até a próxima!


Sinopse: "Meg Cabot retorna com uma divertida e sexy continuação da saga de Suzannah Simon, a menina que via fantasmas... e os ajudava a passar para a luz Agora, mais velha e experiente, tudo que Suze quer é causar uma boa impressão no primeiro emprego desde sua formatura — e desde o noivado com o Dr. Jesse de Silva, ex-espírito e sua alma gêmea. Como não bastasse, um fantasma de seu passado resolve aparecer. E esse não é um espectro que ela possa mediar. Afinal, Paul Slater está bem vivo, milionário e, ainda por cima, é o novo proprietário da antiga casa de Suzannah. Aquela na qual conheceu Jesse. Isso não seria um problema se ela não tivesse acabado de descobrir que uma antiga maldição poderá transformar seu amado num demônio, caso seu antigo local de descanso seja demolido, como Paul pretende. Agora ela precisa dar um jeito em Paul, que a está chantageando sexualmente — isso mesmo... ou ela dorme com ele, ou perde Jesse —, enquanto tenta ajudar uma caloura assombrada por uma menininha muito poderosa... "

Livro: Lembrança
Série: A Mediadora
Volume: #7
Autor: Meg Cabot
Gênero: Fantasia; Sobrenatural
Páginas: 422
Editora: Galera Record
Ano de Publicação: 2016
Nota: 

Lembrança” é o sétimo livro da série “A Mediadora” da autora Meg Cabot. Essa resenha é totalmente livre de spoilers.


Sinopse: Desta vez é vida ou morte. A série A mediadora, de Meg Cabot, chega ao fim. Suzannah já se acostumou com os fantasmas em sua vida e é muito aterrorizante ter o destino dos fantasmas em mãos, podendo alterar o curso da história. E tudo ficou pior depois que ela descobriu que Paul também sabe como fazer isso. E ele adoraria evitar o assassinato de Jesse, impedindo-o de virar fantasma e lhe garantindo uma vida tranqüila, finalmente... Isso significaria que Jesse e Suzannah jamais se conheceriam. A mediadora está diante da decisão mais importante da sua vida: deixar o único cara que já amou voltar para seu próprio tempo, impedindo assim sua morte... ou ser egoísta e mantê-lo a seu lado como um fantasma. O que Jesse escolheria: viver sem Suzannah ou morrer para amá-la?

Livro: Crepúsculo
Série: A Mediadora
Volume: #6
Autor: Meg Cabot
Gênero: Fantasia; Sobrenatural
Páginas: 272
Editora: Galera Record
Ano de Publicação: 2007
Nota: 


Crepúsculo” é o sexto livro da série “A Mediadora” da autora Meg Cabot. Essa resenha é totalmente livre de spoilers.